sábado, 1 de agosto de 2015

ATIVIDADES DE 1º ANO ( ALFABETIZAÇÃO)


ATIVIDADES  DE 1º ANO  ( ALFABETIZAÇÃO)

ATIVIDADES COM OS NOMES
ALFABETO COM NOMES
DESENHO DA SILHUETA . NAS LETRAS QUE NÃO TEM NENHUM NOME , DESENHAR UM ANIMAL, OBJETO OU ALIMENTO QUE COMEÇA COM ÀQUELA LETRA.


ENFEITAR A PRIMEIRA LETRA COM BOLINHAS DE PAPEL CREPOM. ESCREVER O NOME EMBAIXO DA LETRA E DESENHAR O QUE COMEÇA COM A LETRA DO NOME.



·Conteúdos: Nomes dos Alunos

·Objetivos específicos:



·Reconhecer globalmente os nomes dos colegas, a letra inicial e final. Realizar comparações com os nomes dos alunos, percebendo semelhanças e diferenças entre as letras do nome do aluno e dos colegas.



·Relacionar fonema /grafema das iniciais dos nomes e comparar outras palavras e nomes que começam com o mesmo som.



·Relacionar letra e sílaba inicial após apresentação das vogais.














·Apropriar-se da aquisição do sistema de escrita de forma significativa, pois os nomes os são para as crianças, tornando-se mais fácil para estas a memorização de nomes , letras e sílabas.



· Reconhecer a origem do seu nome e de seu sobrenome, através de pesquisa com os pais em casa, proporcionando aos alunos conhecerem a sua história, através de consultas a registros como certidão de nascimento e relatos orais dos pais.



·Conhecer gêneros textuais, como poemas e textos informativos em torno do tema "Nome".

·Procedimentos didáticos:

·Chamadinha com os nomes dos alunos . Perguntar de quem é o nome. Qual o nome da primeira letra e da última. Comparar com os nomes de outros colegas. Perguntar quais colegas começam com a letra de determinado aluno. Comparar dois nomes e perguntar semelhanças e diferenças. Realizar todos os dias.

·Escrever o nome sem olhar no telhadinho e desenhar o seu autorretrato.

·Enfeitar a primeira letra do nome com papel recortado, cola colorida, bolinhas de papel crepom, sementes, etc. Escrever o nome abaixo da primeira letra e se desenhar. Mostrar na roda, relatar e prender no barbante ou mural.

·Confeccionar um alfabeto com nomes. Entregar silhuetas aos alunos e pedir que desenhem as suas  características nestas, depois irão colar a silhueta e o nome na letra do alfabeto.

·Pesquisar figuras que começam com a mesma letra do nome. Socializar na roda para que os alunos associem as letras dos nomes de todos os colegas . Esta apresentação dura uma semana.

·Poema “Nome da Gente" de Pedro Bandeira. Leitura no cartaz e individual, acompanhando com o dedinho as palavras e os versos. Conversa sobre o poema. Pesquisa sobre a origem do nome. Socialização na roda. Esta apresentação oral dura uma semana, pois chamo de quatro a cinco alunos para se apresentarem por dia.

·Formar o nome do aluno e dos colegas com letras móveis.

·Escrever os nomes dos colegas sem olhar no telhadinho.

·Escrever nomes de meninos e meninas, agrupando-os.

·Contar o número de letras dos nomes. Marcar cada letra com tracinhos e bolinhas. Escrever o numeral se já souberem. Fazer um X no nome mais comprido e circular o nome mais curto.

·Completar os nomes com a letra inicial.

·Completar os nomes com letra e sílaba inicial.

·Colocar no mesmo conjunto os nomes que começam com as mesmas letras.

·Ligar o nome a letra inicial

·Organizar as letras dos nomes. ( Letras móveis ou atividade em folha)

·Bingo com nomes

·Pesquisa da origem do sobrenome, árvore genealógica, consulta a certidão de nascimento

·Conhecer o sobrenome e aprender escrevê-lo, copiando-o do telhadinho. O telhadinho deverá ser confeccionado de um lado com a letra de forma maiúscula e do outro lado com a letra cursiva. Quando as crianças estiverem alfabéticas e com maior desenvolvimento da coordenação motora fina, podem começar a escrever com a cursiva, embora algumas crianças optem por escrever com esta desde o início do 1º ano, pois apresentam níveis mais avançados de escrita e maior desenvolvimento da coordenação motora fina.































Pedir para contar o nº meninos e meninas e escrever o numeral


























 ATIVIDADES SOBRE O MENINO MALUQUINHO


Contornar o corpo  de uma criança e pedir que elas desenhem as partes do corpo e a roupa do boneco. Trabalhar nomes das partes do corpo. pedir que as crianças completem com as letras e sílabas iniciais.

Leitura do livro : " O  Menino Maluquinho" e ver o filme.
Texto coletivo sobre o filme. ( Relatos dos alunos)








· Conteúdo: Tema: “Nosso Corpo e Nossa Identidade” ( atividades interdisciplinares)



· Objetivos específicos:



· Inserir as crianças no ambiente escolar de forma agradável para que se sintam seguras no novo ambiente. Promover a apresentação entre as crianças e a professora. Reconhecer os nomes, mostrando o telhadinho.






· Avaliar se as crianças já reconhecem e escrevem o nome próprio e se apresentam noção do seu esquema corporal.



· Promover roda de conversa, conhecendo as crianças através de relatos das suas preferências. Avaliar o grafismo e níveis de escrita.



· Conhecer as partes do nosso corpo ( cabeça , tronco e membros, órgãos internos e suas funções).



· Avaliar e desenvolver a noção de esquema corporal


















· Avaliar e desenvolver a noção de orientação espacial (noção de direção, sentido e posição).



· Avaliar e desenvolver a coordenação de movimentos amplos



· Avaliar e desenvolver a coordenação de movimentos finos.

· Avaliar e desenvolver a noção de grandeza.

· Avaliar e desenvolver a noção de organização temporal.

· Avaliar e desenvolver a noção de comparação e classificação.

· Avaliar e desenvolver a noção de número.

· Propor atividades para casa de pesquisa sobre a identidade e história do aluno, à fim que o aluno conheça a si e sua história, além de estimular interação familiar e desenvolvimento da oralidade.



· Procedimentos:

· Apresentar-se as crianças mostrando o nome da professora no crachá e conhecê-las , fazendo a chamadinha com os telhadinhos. Perguntar se reconhecem nomes e letras iniciais. . Realizar atividades lúdicas ( história, pintura, jogos, massinha) e a apresentação do espaço escolar)

· Desenhar o próprio corpo e escrever o nome sem olhar no telhadinho. Entregar telhadinhos para que comparem na roda.

· Desenhar escrever ( escrita espontânea) o que mais gosta e o que menos gosta. Apresentarem-se na roda, mostrando desenho e relatando o que desenharam e escreveram. Avaliar de forma diagnóstica o grafismo e nível de escrita.

· Realizar brincadeiras e músicas que desenvolvam o esquema corporal, orientação espacial, coordenação de movimentos amplos, atenção e equilíbrio. Ex: músicas ( sai , sai piaba, cabeça, ombro, joelho e pé, boneca de lata). Brincadeira do espelho , descobrir o amigo tateando as partes do corpo com os olhos fechados. Seu mestre mandou, pedindo as crianças para se orientem no espaço. Introduzir os conceitos de esquerda e direita , através de uma brincadeira que lembre morto/vivo. Organizar de 4 a 5 alunos. Depois pedirem que dêem um pulo à esquerda e depois um pulo à direita, quem errar vai saindo. Levantar a mão direita quem gosta de sorvete, levantar a mão esquerda, quem gosta de canjica. Mostrar que o lado que começo a escrever no quadro é o lado esquerdo e o outro lado é o direito.

· Solicitar que uma criança deite no papel pardo e fazer o contorno desta. Propor que as crianças nomeiem as partes do corpo. Escrever os nomes dessas partes e com os relatos dos alunos sobre a escrita. Enfatizar a primeira letra da palavra. Nomear o novo amiguinho da sala e pedir que coloquem uma roupa neste com recorte de papel. Complementem o boneco, desenhando as unhas, risquinhos dos dedos, as partes do rosto, o cabelo, etc.

· Fazer um texto coletivo sobre o novo amigo. Entregar folha com boneco desmontado e pedir que as crianças montem o boneco, recortando e colando. Dizer que o nosso corpo é dividido em três partes ( cabeça , tronco e membros, que são os braços e pernas) e também os órgãos internos . Avaliar conhecimento prévio sobre os órgãos e suas funções. Registrar e mediar a conversa. Mostrar cartaz ( estômago, coração, pulmões, etc.).

· Pedir que as crianças completem os nomes das partes do corpo com a letra inicial.

· Escrevam os nomes das partes do corpo de acordo com as hipóteses de escrita. Escrever uma frase sobre uma das partes do corpo. ( avaliação diagnóstica). Ditar uma palavra monossílaba, dissílaba, trissílaba, polissílaba e uma frase. Ex: pé, boca, cabeça, cotovelo. A boca serve para comer.

· Propor que as crianças desenhem um boneco com um chapéu em cima da cabeça, um anel no dedo esquerdo e um relógio no braço direito. Uma árvore do lado esquerdo , frutas em cima da árvore e uma embaixo desta e uma flor do lado direito. Realizar outras atividades no livro ou folhas de atividades que desenvolvam as noções de posição, direção e sentido.

· Entregar uma revista para as crianças e pedir que recortem a cabeça de uma pessoa e as completem com o que falta no corpo.

· Acompanhar a leitura da parlenda ( Dedo mindinho, seu vizinho). Estimular os alunos a observar o tamanho dos dedos das mãos, brincando de dar nomes aos dedos. Depois, perguntar. Quais dedos vocês acham pequenos, quais vocês acham grande? Levantem o dedo para mostrar! Fazer o contorno das mãos em uma folha e pedir que pintem o dedo maior de vermelho e o dedo menor de azul. Após, pedir que levantem a mão direita e esquerda, propor que desenhem um anel no dedo esquerdo e uma pulseira no braço direito. Realizar outras atividades no livro ou folhas xerocadas referentes às noções de grandeza e posição.

· Ordenarem-se por tamanho, do menor para o maior e vice-versa. Realizar atividades no livro referentes à grandeza. Pedir que cortem tiras medindo cinco alunos e messam com palmos das mãos. Quantos palmos cabem na medida do João e do Pedro? Ordenar as tiras do menor para o maior. Falar que essas medidas não são convencionais, pois não nos dão as medidas exatas e por isso, usamos instrumentos de medida como a fita métrica. Medir os alunos na fita e registrar. Perguntar qual o maior, menor , qual a média de medida da turma.

· Cantar a parlenda da “Galinha do Vizinho”. Pedir que contornem os dedos das mãos de acordo com o numeral. Colar ovinhos de acordo com o numeral. Cada criança irá fazer um numeral. Para que não fiquem crianças sem fazer a atividade,é necessário repetir os numerais. Fazer a dobradura da galinha e colar no cartaz.

· Imprimir as mãos com cola colorida e pedir que as crianças desenhem os detalhes das mãos. Contornem os pés e comparem semelhanças e diferenças entre mãos e pés. Registrar relatos.

· Mostrar o autorretrato da Tarsila do Amaral e falar que a artista, olhou-se no espelho e retratou seu rosto com suas características. Pedir as crianças que façam o mesmo e mostrem na roda. Concluir que cada um é de uma forma fisicamente e de jeitos diferentes também e temos que respeitar os amigos nessas diferenças, além de ajudar aqueles que não podem enxergar, escutar, aprendem mais lento do que os outros, não podem andar, etc. Contar a história do mundinho ou outro que fala sobre as diferenças e realizar atividade sobre este.

· Realizar atividades com os cinco sentidos: visão, olfato, audição, tato, gustação, através de atividades concretas, que os façam sentir a importância desses sentidos e também atividades de leitura e escrita na folha. Tato: tatear os amigos com olhos fechados e descobrir quem são estes. Tatear materiais com o pé e descobrir quais são. Olfato; sentir o cheiro de flores , perfumes e alimentos e descobrir o que são. Gustação: sentir o gosto de alimentos azedos (limão, salgados e doces) e dizer o gosto e qual alimento. Visão : apreciar obras de artes e dizer o que observam por meio da visão( falar da biografia do artista e fazer a releitura). Nomear e misturar cores com tinta. Colocar uma venda na criança e pedir para tentar se localizar no espaço seguindo as orientações de sentido( frente , atrás, esquerda, direita, brincar de cabra-cega.Mostrar em livros o “Braille”( escrita usada pelos cegos para ler e escrever) Audição; ouvir sons de diferentes instrumentos e descobrir qual é, ouvir sons de diferentes sons de animais, trovões e descobrir quais são. Mostrar o alfabeto de “Libras” ( linguagem utilizada pelos surdos para se comunicar , ler e escrever).Realizar atividades de leitura e escrita espontâneas, cruzadinha, associar o sentido a sua função , ligando desenho a palavra. Escrever uma frase ou texto sobre um órgão do sentido. Conversar sobre cada órgão do sentido e realizar pesquisas.

· Realizar atividades de pesquisa para casa sobre os dados pessoais do aluno( nome todo, idade, nome dos pais, etc.), sobre a linha do tempo ( história de vida). Essas atividades deverão ser escritas pelos pais , porém estes devem conversar com os filhos sobre o que foi pesquisado para que estes possam transmitir oralmente a sua história para turma. É necessário deixar um recado para os pais , quanto ao procedimento da atividade. Essa atividade , demora uns cinco dias, pois chamo de 5 em cinco alunos para se apresentarem.






Realizar várias brincadeiras com corpo e contornar o colega no papel pardo, mostrando que o nosso corpo é divido em cabeça, tronco e membros( braços e pernas).
Fazer uma roda para as crianças mostrarem seus desenhos e relatarem suas preferências

Esta atividade pode servir como avaliação diagnóstica. Chamar os alunos na mesa individualmente.



Montar as partes do corpo do menino maluquinho








Completar a figura de revista com as partes do corpo. Escrever do seu jeitinho os nomes das partes do corpo. Deitar uma criança em um papel pardo e contornar o o corpo desta. Pedir para completarem o corpo com o que falta ( partes do rosto, cabelo, unha, etc.) Colocar uma roupa com pepel recortado e nomear o boneco. Enfatizar que o corpo humano é divido em cabeça, tronco e membros ( braços e pernas). Nomear o boneco e inseri-lo no grupo como mais um amiguinho da sala.


















Registrar frases ditadas pelas crianças no cartaz.
Pedir que desenhem sobre um hábito de higiene e escrever uma frase de acordo com a hipótese de escrita. Intervir de acordo com a hipótese . Também podem copiar uma frase do cartaz se quiserem.








MINHAS MÃOS

NESTA  MÃOZINHA    DIREITA
EU  TENHO   CINCO    DEDINHOS
FAZEM  TUDO   DE  UMA  FEITA,
FAZEM  TUDO  LIGEIRINHO
SÃO  CINCO  NA  MÃO   DIREITA,
E  MAIS  CINCO  NA  OUTRA
PORTANTO,  CINCO  MAIS  CINCO,
AO  TODO ,  DEZ  DEDOS  SÃO.







REALIZAR, ATIVIDADES PARA ENFEITAR A PRIMEIRA LETRA DO NOME, PESQUISAR FIGURAS OU DESENHAR O QUE COMEÇA COM A PRIMEIRA LETRA DO NOME.




















A HISTÓRIA DA ESCRITA
· Conteúdo: “História da Escrita



· Objetivos específicos:Conhecer a história da escrita e a função social desta para a humanidade.



· Procedimentos didáticos:



· Leitura de texto informativo pelo professor e acompanhados pelos alunos com o dedo nas palavras do texto. Conversa sobre o texto.



· Pesquisa para fazer uma linha do tempo sobre a história da escrita.



· Realizar desenhos que expressem seu pensamento, assim como faziam os homens pré-históricos e atividades com impressão de figuras desenhadas pelos alunos . Utilizar tinta alaranjada e misturar com argila, para ficar da cor das figuras rupestres. Mostrar na roda e relatar.

· Trabalhar textos informativos sobre a escrita egípcia ( hieróglifos)








· Conteúdo: outras formas de escrita que o aluno já conhece ( leitura de imagens e leitura globais de rótulos)



· Objetivos específicos: reconhecer sinais sociais ( gestos, músicas, figuras), símbolos( placas de trânsito, de banheiro, etc. ) e leitura globais de rótulos , mostrando aos alunos que já sabem ler muitas coisas e que a escrita não é somente registrada com letras).

· Procedimentos didáticos : pesquisar rótulos e mostrar na roda o que leram. Colar na letrinha do alfabeto que começa o rótulo.

· Entregar folhas de atividades com símbolos de rótulos e marcar aqueles que consegue ler.










LEITURA DE IMAGENS , SÍMBOLOS E RÓTULOS



PEÇA AOS ALUNOS QUE TRAGAM RÓTULOS PARA REALIZAREM LEITURAS GLOBAIS NA SALA. PEÇA QUE COLEM NAS LETRAS DO ALFABETO.


LETRAS OU NUMERAIS


O NOSSO ALFABETO
SÃO FEITOS DOIS ALFABETOS : UM COM OS NOMES DA CRIANÇAS E OUTRO COM FIGURAS RELATADAS PELAS CRIANÇAS. ELAS FALAM O QUE COMEÇA COM DETERMINADA LETRA . REGISTRO E DEPOIS PROCURO NO ALFABETO AS FIRGURAS RELATADAS POR ELAS. COLAMOS E  FAZEMOS UM ALFABETO QUE FICA FIXO NA SALA. O ALFABETO COM NOMES FICA EMBAIXO  DO QUADRO E O COM FIGURAS EM CIMA DO QUADRO.






· Conteúdo: Alfabeto ( vogais e consoantes)

· Objetivos específicos: reconhecer todas as letras do alfabeto, percebendo que as letras se dividem em vogais,consoantes e três letras estrangeiras. Conhecer a função da ordem das letras do alfabeto no nosso cotidiano, a quantidade de letras no alfabeto e a função social da escrita na sociedade.

· Procedimentos:Apresentar o alfabeto, apontando e nomeando as letras. Perguntar as crianças para que servem as letras. Concluir que as letras se juntam e formam palavrinhas que iremos ler e escrever em textos como livros de histórias, jornais, revistas , de pesquisa, internet, etc..

· Depois da conversa, propor que contem junto com a professora a quantidade de letras do alfabeto. Concluir que são 26 letras.

· Mostrar que as letras do alfabeto se dividem em vogais e consoantes e três letras estrangeiras. As vogais estão na cartolina vermelha, as consoantes estão na azul e as letras estrangeiras estão na cartolina verde.

· Destacar as vogais e dizer que sem elas as outras letras chamadas de consoantes ficam mudas ( sem voz ) e precisam das vogais para terem som ( voz). Dar exemplos com os nomes das crianças, mostrando as vogais nos nomes destas. Mostrar as três letrinhas estrangeiras K , W e Y e dizer que estão nos nomes de pessoas, produtos estrangeiros , filmes e desenhos. Ex: Weslley, Karla, Yoki, Wolverine, etc.

· Dizer que iremos confeccionar um alfabeto com os nomes dos alunos. Entregar a silhueta e cada um irá desenhar suas características nestas. Colar a silhueta e nome na letra do alfabeto. Dizer que nas letras que não tem nenhum nome , irão desenhar algo que comece com o som destas letras e escrever os nomes dos desenhos.

P. S:
A letra “Y” é considerado vogal, por ter o mesmo som do I, porém o classifico no grupo de letras estrangeiras e explico que tem o mesmo som da letra I. Ex: Igor ou Ygor.

O “W” apresenta os sons das letras “U” e “V”, tendo som de vogal e consoante , dependendo da palavra. Ex: Wolverine e vovô , Wallace e uva.

A letra “K”, apresenta som de “ C”, quando se junta com as vogais A , O, U e som de “Q”. Ex: Catorze ou quatorze, Kero ( rótulo estrangeiro) quero ( verbo), Kiko ( nome ) ou quico ( verbo quicar).



· Conteúdo: “Vogais”

· Objetivos específicos: reconhecer o som das vogais nas iniciais das palavras e no meio destas . São fonemas que fazem vibrar as cordas vocais, cujo som não produz nenhum obstáculo à corrente de ar. São silábicos , isto é sempre constituem a base da sílaba, já que não existe sílaba sem vogal, sendo portanto mais fácil para as crianças perceberem seu som inicial e a sua função na sílaba.


· Procedimentos : Cantar a música “O Sapo Não Lava o Pé”. Substituir as vogais nas palavras. Mostrar as vogais em cartazes e pedir que digam o que começa por determinada vogal, enfatizando o som inicial na palavra.

· Pesquisar figuras que comecem com as vogais

· Fazer um cartaz com as cinco vogais

· Mostrar uma figura por vez e pedir que digam com qual vogal começa determinada figura. Entregar para a criança escolhida colar no cartaz da vogal.

· Realizar atividades referentes às vogais iniciais e no meio das palavras. Ex: envolver figuras que comecem com determinada vogal, completar palavras com as vogais iniciais, completar as palavras com as vogais que faltam, recortar e colar as figuras nos conjuntos das vogais.


· Conteúdo: “Encontros vocálicos”

· Procedimentos:Mostrar que se duas vogais se juntam formam palavrinhas. Utilizar essas palavrinhas em situações cotidianas, realizando atividades de leitura e escrita.

· Observação: essa atividade na verdade não é necessária, mas podemos utilizá-la em um contexto significativo de representações teatrais dos alunos , com a leitura em cartazes das palavrinhas). Afinal os encontros vocálicos existem na língua portuguesa.



· Conteúdo:Sons Nasais

· Procedimentos:Mostrar o som das vogais sem o til e com o til e dizer que com este as vogais ficam com som de nariz ( som nasal). Realizar atividades para completar palavras com sons nasais ( ão, ã, ãe, õe).








Colar na contra-capa do caderno













AS LETRAS SÃO DIVIDIDAS EM VOGAIS E CONSOANTES



VOGAIS E CONSOANTES
Vogais

























ENCONTROS VOCÁLICOS
Observação: essa atividade na verdade não é necessária, mas podemos utilizá-la em um contexto significativo de representações teatrais dos alunos , com a leitura em cartazes das palavrinhas). Afinal os encontros vocálicos existem na língua portuguesa.






SONS NASAIS




Consoantes













Metodologia
    O processo de alfabetização inicia-se pelos nomes próprios, pois  facilita o processo de aquisição de escrita alfabética, por ser o nome próprio algo  significativo e portanto mais fácil de memorizar. São realizadas atividades na rodinha de reconhecimento global dos nomes, das letras iniciais e finais , sílabas inciais e comparações de semelhanças e diferenças entre os nomes. Em concomitância às atividades com os nomes , são trabalhadas atividades com o alfabeto mostrando que este é dividido em vogais e consoantes .São destacadas as vogais , trabalhando-se os sons iniciais destas nas palavras, assim como a função das vogais nas sílabas ( toda sílaba tem vogal e sem esta a consoante não tem som). São realizadas atividades na rodinha e em folhas . As crianças começam a perceber o significado de sílaba, contando nos dedos quantas sílabas tem o seu nome e dos colegas. São realizadas atividades para completar com a letra e sílaba inicial dos nomes dos colegas, organizar as letras dos nomes, tendo o telhadinho como suporte, copiar os nomes de meninas e meninos, escrever de forma memorizada os nomes dos colegas, agrupar nomes que começam com a mesma letra, contar número de letras e sílabas dos nomes dos colegas,etc. As crianças conhecem um pouco da história da escrita, percebendo a necessidade do ser humano de registrar a linguagem, desde a pré-história (pré-escrita) até os dias atuais realizando atividades de leitura de textos informativos junto com a professora, pesquisas, produção de texto coletivo e de artes com pinturas rupestres do período da pré-história. Percebem que existem muitas outras formas de linguagem e expressão desta , que já sabem ler muitas coisas, como : imagens, símbolos e rótulos, Realizam atividades com pesquisas de rótulos e imagens que sabem ler, além de atividades em folhas. É necessário que as crianças conheçam todas as letras do alfabeto e comecem a relacionar o som das consoantes iniciais nas palavras, por isso, é mostrado e falado em interação com as crianças o alfabeto da sala de forma constante, além de atividades em folhas para relacionar o som das consoantes iniciais das palavras. As crianças confeccionam um alfabeto com nomes próprios e outro de acordo com o tema trabalhado na sala. São realizados pequenos projetos com temas das áreas do conhecimento social e natural (o corpo, alimentos saudáveis, a escola, etc.) e que são do interesse dos alunos, nestes são realizadas atividades de forma interdisciplinar que trabalham a apropriação do sistema de escrita alfabética com palavras do campo semântico estudado, tais como: relacionar fonema/grafema dos sons das letras iniciais dos nomes dos objetos de higiene , completar palavras com as letras que faltam em nomes das partes do corpo, escrever conforme as hipóteses de escrita os nomes de frutas, etc. Depois dessas atividades as crianças começam a avançar rapidamente em suas hipóteses de escrita, pois conheceram todas as letras do alfabeto, além de realizar a relação fonema /grafema destas letras , tendo assim suportes para construírem a escrita e em maio avançam para níveis silábicos (com consciência sonora de vogais ou consoantes) e silábico-alfabéticos, porém é necessário sistematizarmos esse conhecimento, enfatizando o som de cada consoante e as sílabas inicias nas palavras. As crianças ditam palavras que começam com o som da mesma letra (lista de palavras), destacando-se em vermelho a letra e sílaba inicial. As sílabas nunca são trabalhadas de forma isolada, mas destacadas a partir da palavra. Elas percebem o que é sílaba, sabendo que cada vez que abrimos a boca sai uma sílaba ( pedacinho) . Realizam atividades em que percebem o som da letra inicial que foi destacada do alfabeto . Outras em que destacam das palavras as sílabas iniciais, escrevendo e lendo estas e descobrindo o grupo silábico da letra , são realizadas atividades de escrita de palavras como, auto-ditados e cruzadinhas, de leitura de palavras em atividades para ler e desenhar ou ler no caça-palavras. Atividades de produção e leitura de textos coletivos , escritas e leituras individuais de frases ou pequenos textos sobre o tema estudado.
     A sequência das letras ( fonemas) , podem ser trabalhadas de acordo com o projeto escolhido ou conforme a turma e a professora combinarem. Em cada letra do alfabeto conversam sobre uma figura relacionada e as crianças fazem pesquisas para aprofundar o conhecimento, além de outras atividades pedagógicas relacionadas aos temas do conhecimento natural ,social e matemático. Nestas atividades as crianças fazem listas de animais mamíferos, aves, tipos de casas, trabalhando-se todos os fonemas , escrevendo-se palavras com sílabas simples e complexas. As crianças ditam as palavras e a professora escreve no cartaz ou chama as crianças para escreverem, depois intervém nas hipóteses dessas. Nas atividades individuais as crianças desenham animais mamíferos, por exemplo, e escrevem de forma espontânea , tendo a intervenção da professora na hipótese do aluno de acordo com cada nível ou se a atividade não for diagnóstica . A apropriação do sistema de escrita , ocorre em um ambiente de letramento em que as crianças percebem a função social da escrita. São trabalhados vários gêneros textuais e seus suportes, tais como: poesias, textos de pesquisa(informativos), histórias ( narrativas), bilhetes , etc. As atividades estão também sempre relacionadas às artes ( plástica, música, dramatização e dança), tornando a alfabetização mais lúdica e prazerosa, além de ampliar o conhecimento cultural das crianças.
       As atividades com sílabas que não são iniciais são apropriadas aos alunos de níveis silábico-alfabético e alfabético. As crianças que estão nos níveis pré -silábico e silábico terão dificuldades em realizar atividades que se referem as sílabas que não são iniciais, principalmente àquelas de juntar as sílabas e formar palavras, no entanto podem realizar as atividades em que percebem o som da primeira letra e escrever esta abaixo do desenho. A sílaba inicial é percebida através do som da letra inicial. Os pré-silábicos irão aos poucos percebendo que cada vez que abrimos a boca sai uma sílaba da boca, e avançam para o nível silábico, só que a sílaba para eles representa uma letra . Para os alunos silábicos, proponho atividades para completar a palavra com a letra inicial , à fim de que relacionem fonema/grafema de vogais e principalmente de consoantes, pois as crianças apresentam mais dificuldades em perceber o som destas. Também são propostas outras atividades, como: trocar as vogais na sílaba transformando a palavra, contar o nº de letras e sílabas, pedir que lêem o que escreveram e colocar tracinhos para completarem com a letra que está faltando na palavra . Estes procedimentos interferem na hipótese silábica desses alunos , promovendo o avanço para os níveis silábico-alfabético e alfabético. Atividades com letras móveis são apropriadas para os alunos com hipóteses iniciais de escrita ( pré-silábicos e silábicos).
     Apesar dessas atividades sistematizarem o grupo silábico de determinada letra , este não é fruto de memorização , mas de idéias construídas logicamente pelas crianças que avançam em seus níveis de escrita, nos quais a intervenção da professora na lógica de pensamento dos alunos os fazem mudar as suas hipóteses iniciais sobre a escrita. Não são apresentadas somente as sílabas simples, mas as complexas também , que são reforçadas à partir do mês de agosto ou setembro. As atividades com chamadinha e nomes dos alunos não são realizadas somente no início do ano.
     Quanto a letra cursiva, as crianças passam a escrever com estas quando avançam para o nível alfabético de escrita. Isto não quer dizer que as crianças não são apresentadas a esta. São apresentadas aos quatro tipos de letras, só não são obrigadas a escrever com a cursiva.

Obs: apesar dessas atividades sistematizarem o grupo silábico de determinada letra , este não é fruto de memorização , mas de idéias construídas logicamente pelas crianças que avançam em seus níveis de escrita, nos quais a intervenção da professora na lógica de pensamento dos alunos os fazem mudar as suas hipóteses iniciais sobre a escrita. Não são apresentadas somente as sílabas simples, mas as complexas também , que são reforçadas à partir do mês de agosto ou setembro.

Apresenta um texto abaixo que esclarece o uso da letra de forma na alfabetização.


Na alfabetização, a letra de forma é ensinada primeiro do que a cursiva!


É importante entender porque a criança aprende primeiramente a letrinha de forma e não a cursiva e não simplesmente ensinar só porque a maioria faz assim e dá certo! Realmente, dá certo, mas há uma explicação do motivo pelo qual essa maneira é a melhor!

A criança está desenvolvendo a motricidade na fase da alfabetização e a letra do tipo bastão é mais fácil para se adequar neste momento. Os rabiscos começam a se endireitar e formar letras.

As letras de forma são ideais para esta fase, pois os caracteres são individuais e podem ser escritos um após o outro. Os traços são resumidos a pauzinhos aglomerados uns nos outros. Já as letras cursivas exigem uma agilidade maior, uma vez que, além de outras finalidades, são utilizadas para tornar o registro mais rápido.

O traçado simples das letras de forma dão maior liberdade no ato da escrita, ao contrário das “letras de mão” que precisam de uma organização maior. O ato de ligar uma letra a outra também dificulta o processo, pois anula a ação de tirar o lápis do papel e investir as forças na próxima letra, o que ordena um esforço motor maior.

Além disso, antes mesmo de serem alfabetizadas, as crianças já possuem contato com as letras de imprensa em jornais, na televisão, em livros, gibis. Elas não conseguem ler, mas fica na memória visual das mesmas.

Logo, a percepção da letra de forma é mais rápida e fácil do que da letra cursiva. No entanto, é importante trabalhar com esta última, assim que o infante se habituar à primeira. Não há problemas se as duas formas coexistirem por um tempo, porque independente da letra o que deve sempre estar em foco é a escrita. Pois mais importante do que a letra que a criança escolhe, é a compreensão da escrita como um ato de comunicação.

Por Sabrina Vilarinho
Graduada em Letras
Equipe Brasil Escola




Letra B


















Escrever as palavras no caderno também












 




INSETOS







LETRA C












Propor para as crianças escreverem os nomes dos desenhos no caderno , no sentido da escrita (esquerda/direita).









Letra D



TEXTOS INFORMATIVOS SOBRE OS DINOSSAUROS
O QUE DESCOBRIMOS?

















LETRA  F
























LETRA J


MÚSICA DO JACARÉ





LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO


LETRA   L












LETRA  M



















LETRA P

Leitura de poesia/música









 











Relação fonema grafema da letra inicial e escrita da palavra. Escrita de frase.

Escrita de palavras



Leitura de palavras





TEXTO INFORMATIVO SOBRE O PATO
TEXTO COLETIVO (RELATOS DOS ALUNOS)



Produção de frase ou texto informativo sobre o pato









LISTA DE AVES

 



DOBRADURA DO RATO E DESENHO DO TRAVA-LÍNGUA



 TEXTO INFORMATIVO SOBRE O RATO
TEXTO COLETIVO
RELATOS DOS ALUNOS

 

LISTA DE MAMÍFEROS



ESCRITA DE FRASE OU TEXTO




  





TEXTO COLETIVO COM INFORMAÇÕES SOBRE O SAPO

O SAPO

O SAPO COME MOSCA, ABELHA E BORBOLETA., ELE VIVE NA LAGOA. O SAPO NASCE DO OVO E DELE SAI O GIRINO. PRIMEIRO NASCE AS PATINHAS DA FRENTE , DEPOIS AS PATAS TRASEIRAS , O RABO ENCOLHE E ELE SE TRANSFORMA EM UM SAPO. O NOME DESSA TRANSFORMAÇÃO SE CHAMA METAMORFOSE.
A PELE DO SAPO É LISA E MOLHADA.O SAPO RESPIRA PELA PELE. ELE É DO GRUPO DOS ANFÍBIOS.



ATIVIDADE DE ARTES
DOBRADURA DO SAPO , DESENHO , RECORTE E COLAGEM DO HABITAT QUE ELE VIVE.


ESCRITA DE FRASE OU TEXTO



LISTA DE ANFÍBIOS
DEPOIS DE LERMOS AS PALAVRAS COLOCAMOS AS FIGURAS DOS ANIMAIS














LETRA  T

MÚSICA DA TARTARUGA

LEITURA COLETIVA NO CARTAZ E FOLHINHA.
ACOMPANHAR COM O DEDINHO OS VERSOS.
CIRCULAR A PALAVRA TARTARUGUINHA E VER QUEM ACHOU MAIS.

TEXTO COLETIVO COM INFORMAÇÕES SOBRE AS TARTARUGAS
ABORDAMOS AS QUESTÕES AMBIENTAIS E DE EXTINÇÃO DOS ANIMAIS.





ATIVIDADE DE ARTES
CONFEECÇÃO DA TARTARUGA COM GARRAFA PET. PINTURA DO MAR COM TINTA GUACHE TAMBÉM TRABALHAMOS A CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA.




REGISTRO ESCRITO SOBRE A TARTARUGA, APOS TEXTO COLETIVO COM INFORMAÇÕES SOBRE A TARTARUGA,
 


Adicionar legenda





LETRA  V







LETRA  X



POEMA DO XARÉU
LEITURA COLETIVA E INDIVIDUAL
ATIVIDADE: ILUSTRAÇÃO DO ALUNO. DESENHAR OUTROS PEIXES E ESCREVER OS NOMES DELES.


LISTA DE PEIXES



ATIVIDADE DE ARTES
DOBRADURA DO PEIXE
PINTURA DO MAR COM GUACHE NA CARTOLINA AZUL.





REGISTRO ESCRITO APÓS TEXTO COLETIVO COM INFORMAÇÕES SOBRE O PEIXE.]ILUSTRAÇÃO ( DESENHO DA CRIANÇA DO PEIXE E DO MAR)











 LETRA  Z







Nenhum comentário:

Bem vindo !!

Sejam bem vindos a esse blog que tem a intenção de compartilhar essas idéias, as quais podemos sempre transformar com muita criatividade!!!

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Pedagoga com habilitação em educação especial, pós-graduação em educação infantil, orientação educacional e pedagógica.Monografias: "Metodologia Teacch", "Teoria e Prática Construtivista" e "A Alfabetização e a Orientação Pedagógica". Cursos específicos na área de autismo: Metodologia Teacch e ABA. Experiência em educação infantil, ensino fundamental e em instituição para crianças com autismo. E o mais importante! Professora com muito orgulho! Se passar neste blog, deixe o seu recadinho! Beijos Karla